Câmara de Equideocultura do MAPA aprovou atualização do Código Nacional de Corridas

A Câmara de Equideocultura do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) aprovou a atualização do Código Nacional de Corridas. As inovações no documento dão-se 9 anos após a Instrução Normativa à qual está consignada a versão vigente do CNC, datada de 2012.
Ainda que o texto base do CNC vigente tenha sido mantido, bem como a maior parte de suas disposições, a nova versão traz inovações relevantes e que abrangem diferentes seções da norma.
No tocante às apostas, as parelhas deixam de existir – ressalvada hipótese de excesso de inscrições em relação à quantidade de números do CPD. Outra novidade para os apostadores é a previsão da devolução do dinheiro em caso de apostas efetuadas em animais desclassificados por falta de peso.
Para os proprietários, a taxa de inscrição passa a ser limitada ao percentual de 0,5% do valor bruto da premiação do primeiro colocado, no respectivo páreo. Até então, cabia às Comissões de Corridas arbitrar, de modo discricionário, o percentual cobrado a título de taxa de inscrição.
Jóqueis poderão voltar a utilizar o freio como embocadura. Veda-se, por outro lado, a descarga de peso em virtude de sexo, cor ou idade (ressalvada a sistemática dos aprendizes).
Outra novidade foi a formalização da penalidade de suspensão do animal, em caso de doping – sanção esta até então não prevista no CNC.
De outro lado, torna-se expresso o direito à ampla defesa, de proprietários e profissionais, em relação a processos administrativos e disciplinares – o que põe o texto do CNC em consonância com direito fundamental trazido pela Constituição Federal. (Transcrito do site da ABCPCC)

 

 
 
 

© 2019 - Jornal do Turfe Ltda.
Copyright Jornal do Turfe. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal do Turfe.