Renato Gameiro
 
 
 

UMA TARDE EM EPSOM

            Desculpem a picardia, mas reincidência é uma coisa por qual nutro muitas restrições, principalmente em se tratando de fatos que aconteceram de forma negativa ou impensada. Sexta-feira, 2 de junho, uma das postulantes ao cetro em Epsom, a norte-americana Daddy’s Lil Darling foi levada a correr em Epsom e, pelo que demonstrou antes ainda no paddock, e depois quando na ida para o starting-gate, se mostrou estar completamente fora de si. Como se perguntasse o que estou fazendo aqui. Eu responderia que absolutamente nada, mas infelizmente ela derrubou o experiente Olivier Peslier e foi retirada da carreira e, com isto, ficou impossível se provar a tese do desperdício de um custo insano para uma aventura fadada ao insucesso. Para mim, era potranca para disputar a 9ª colocação, num páreo que com ela, perfaziam dez competidoras.

            Porque reincidência? Pelo simples fato que este mesmo treinador alguns anos atrás foi a Royal Ascot com um potro, também treinado nos Estados Unidos, e este simplesmente se recusou a largar. Esta total falta de conceitos me assusta, bem como a falta de planejamento, ou a incapacidade de pôr em prática o que foi planejado. Isto tornou estas duas inúteis viagens, além de custosas aos bolsos dos proprietários destes dois animais, como também contraproducente, já que, no caso de Daddys Lil Darling, ela vinha de uma 2ª colocação no Oaks, não importa se “achada” ou merecida. É assim que muito proprietário enjoa sua ração...

            O tempo de mostrar a farda ou da promoção pessoal do profissional, que se fascina com o aparecimento nas notícias e na televisão à custa de seus proprietários, eu pensei estar extinta. Pelo menos em corridas de alta necessidade técnica no continente europeu, onde os campos das grandes provas, às exceções do Derby e do Arco, tem o número de seus participantes limitado à qualidade apresentada anteriormente pelos mesmos. Ninguém corre pelo simples fato de promover-se. A derrota conta negativamente na vida atlética de um animal.

            Mas, corrida a carreira, notou-se que a mesma se cristalizou num mano a mano entre Enable e a proibitiva favorita Rhododendron. Eu, que achava que teríamos um passeio no parque, para a segunda, deveras me impressionei com a primeira que, depois de 500 metros de luta durante a longa reta de Epsom, onde as duas desvencilharam-se das demais, ela não só resistiu como nos 200m finais foi tirando. Parecia inteira ao cruzar o disco.

            O simples fato, das duas serem descendentes de Galileo não me surpreendeu. Rhododendron é sua filha e enquanto Enable, sua neta, já que se trata de uma filha de Nathaniel, como também não me surpreende a ganhadora ser imbreed em Sadler’s Wells,  Nearctic e Hail To Reason, assim como duplicada em Lalun, e a segunda trazer o doublé - que chamo de mágico - formado pelos imbreeds em Northern Dancer e Mr. Prospector e uma duplicação em Special. Por que não me surpreendo? Pois, 90% dos ganhadores das mais importantes carreiras europeias, principalmente na milha e meia, não têm seus pedigrees “abertos”. Por que então abri-los? Pelo simples fato de querer peitar a parte sã da humanidade?

            Um pequeno parêntese. Quando aberto o sindicato de Nathaniel, o H & R quis comprar uma cota. Escrevi ao haras que lideraria o sindicato e nem uma resposta recebi, o que prova que a nós, brasileiros, nem é dada a singela concessão do respeito. Fecho parênteses.

            Highland Reel, juntamente com Flintshire, foram os cavalos que mais gosto e que me deram o prazer de assistir correr, estes últimos dois anos, no Velho Mundo e mesmo na Breeders’ Cup. Eles parecem ter prazer no que fazem. Highland Reel é imbreed em Northern Dancer e Buckpasser - outro doublé que me agrada muito - e ainda por cima, com duplicações em Natalma.

            O fato do ganhador de ponta a ponta da Coronation Cup, Highland Reel (Galileo) ser um 22-b, e de Enable ser uma 4-m, apenas provam que, na grande maioria dos casos, são aqueles mesmos segmentos maternos - ao quais alcunho de famílias - que geralmente triunfam, independentemente de simpatias e crendices. Logo, o vencedor do Derby, Wings Of Eagles ser um Pretty Polly me causou apenas a confirmação destes conceitos.

            Não foi o melhor Derby a que assisti e digo por que acompanho esta prova desde que esta foi gravada em vídeo, porém diria que foi um dos mais instigantes. Efetivamente com um trem dos mais acelerados e com um final eletrizante, decidido apenas nos metros derradeiros.

            Wings Of Eagles, a exemplo de seu pai, veio de trás. Onde corria, não tenho a menor ideia, mas sua aceleração final foi suficiente para alcançar Cliffs Of Moher (Galileo), tão logo ele conseguiu ultrapassar Cracksman (Pivotal) que, por sua vez, havia acabado de sobrepujar a Eminent e Benbati. Foi um final eletrizante.

            Pour Moi foi uma daquelas joias raras que apenas treinadores com a capacidade de um André Fabre sabem explorar. Trata-se de um 22-b, imbreed em Northern Dancer e duplicado em Lalun, que por ser um elemento eminentemente de fundo - como dificilmente poderia deixar de ser já que se trata de um Montjeu em mãe Darshaan - já foi de downgrade a reprodutor de cavalos de steeplechase.

            Todavia, é bom se ressaltar que a festa de Epsom, não se limita a suas três provas de graduação máxima. Os 1.700m do Diomed Stakes e do Princess Elizabeth Stakes, ambas de G.3, sendo a segunda, restrita a fêmeas, são provas igualmente representativas e creio que Laugh Aloud, a vencedora do Princess Elizabeth, deva ser alvo de atenção.

            Trata-se de uma filha de Dubawi, para mim o segundo mais importante reprodutor em serviço na Europa, numa mãe Singspiel, que está se tornando um dos mais importantes avôs maternos modernos, duplicada em Sunbittern, uma matriarca que está cada vez mais se consolidando com a presença dupla em pedigrees de ganhadores de Grupo.

            Para concluir uma grande festa na Gávea, em seu fim de semana de maior importância, foi o que vimos.

* Patrocínio - Stud Smith de Vasconcellos, Stud H & R, Stud Magic Island, Haras Tango e Haras Santa Rita da Serra.

 

 
 

© 2017 - Jornal do Turfe Ltda.
Copyright Jornal do Turfe. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal do Turfe.