HIPÓDROMO DA GÁVEA - RIO DE JANEIRO

GARBO LARGOU E ACABOU
Bruno Queiroz e Dulcino Guignoni, perfeitos

O 2º páreo de sábado, 7 de setembro, no Hipódromo da Gávea, PROVA ESPECIAL QUIPROQUÓ - VI ETAPA DA TAÇA QUATI, R$ 12 mil, para Produtos de 4 anos e mais idade, apresentou a vitória de ponta a ponta de GARBO (M.C.4a.RS - Wild Event e Rainbow Bright, por Blush Rambler), de criação do Haras Santa Maria de Araras e propriedade do Stud Yatasto.
Sob a direção de Bruno Queiroz, GARBO pulou na frente, deu-se ao luxo de desgarrar na pequena reta do Hospital Miguel Couto e resistiu, com bravura ao ataque final de Grand Prix (4.Put It Back), que seguiu o ganhador durante todo o percurso e formou a dupla, a 2 ¾ corpos. Energia Espacial (5.Agnes Gold) foi a 3ª, a 4 ¾ corpos; com Deep End (7.Wild Event) em 4º, a 8 ¾ corpos; completando o marcador Paper Plane (4.Flymetothemoon), a ½ corpo. A seguir: Jovem Acteon.
GARBO, apresentado em forma espetacular pelo “mago” Dulcino Guignoni, conquistou seu 3º êxito (2º clássico) em 12 saídas e marcou 3’03” para os 2.800m, grama pesada.


Garbo, com B.Queiroz, levou a melhor

 

MONDRAGON, NA DESCLASSIFICAÇÃO
Corredor do Haras Figueira do Lago faturou o Clássico Ghadeer

No 3º páreo de domingo, 8 de setembro, no Jockey Club Brasileiro, CLÁSSICO GHADEER (L), R$ 20 mil, reservado a produtos de 3 anos, o favorito MONDRAGON (M.A.3a.PR - Setembro Chove e Ella Bird, por A. P. Indy), de criação e propriedade do Haras Figueira do Lago, cruzou a meta ½ corpo atrás de Hector Gold, mas acabou levando a melhor, graças a desclassificação imposta pela Comissão de Corridas ao defensor do Stud Pedudu.
Pilotado por Vagner Borges, MONDRAGON foi mantido na 3ª posição - atrás de Hector Gold e Vale-Brinde - e passou para 2º a 400 metros do disco. Atacou o ponteiro, não conseguiu ultrapassá-lo, mas acabou beneficiado pela desclassificação do rival que saiu para fora bruscamente. He’s Gold (Agnes Gold), que corria no fundo do lote, progrediu para 3º, a 3 ¾ corpos. Abu Dhabi (Agnes Gold) foi o 4º, a 3 ¾ corpos, e Vale-Brinde (Midshipman) esmoreceu na reta de chegada e finalizou em 5º, a 2 ¾ corpos. Depois: Notável.
MONDRAGON, apresentado na melhor forma por Dulcino Guignoni, obteve sua 2ª vitória (1ª clássica) em 4 tentativas, sem jamais deixar de figurar na trifeta e assinalou 2’05”80 para os 2.000m, grama pesada.


Hector Gold cruzou a frente, mas perdeu depois para Mondragon, com V.Borges “up”

 

MAIS QUE BONITA RESISTIU
Defensora do Stud Eternamente Rio desencabulou

O 7º páreo de domingo, 8 de setembro, na Gávea, PROVA ESPECIAL JOIOSA, R$ 12 mil, para Potrancas de 3 anos, marcou o batismo clássico de MAIS QUE BONITA (F.C.3a.RS - Agnes Gold e Feia Que Dói, por Scat Daddy), de criação e propriedade do Stud Eternamente Rio. Pilotada por Wesley da Silva Cardoso, MAIS QUE BONITA largou na frente e abriu vários corpos de vantagem até a reta de chegada sobre Menina Veneno. Na reta, Hanna Gold (Agnes Gold) passou para 2º e descontou bem a diferença que a separava da ponteira, mas sem tempo de superá-la formou a dupla, a ¾ de corpo. Menina Veneno (Quick Road) finalizou em 3º, a ¼ de corpo; La Sonata (Mellon Martini), que vinha em último, foi a 4ª, a 4 ½ corpos, e Kate Flying (Midshipman) deu números definitivos ao placar, a 1 ½ corpo. A seguir: High Passion e Noble Effort.
MAIS QUE BONITA, preparada com esmero pelo campeão Luiz Esteves, conquistou seu 1º êxito em 4 atuações, sem jamais deixar de figurar na trifeta. O tempo para os 2.000m, grama pesada, foi de 2’07”66.


Mais Que Bonita, com W.S.Cardoso, tem futuro

 

 

 
 
 

© 2019 - Jornal do Turfe Ltda.
Copyright Jornal do Turfe. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal do Turfe.