Demetrio Ferreira de Oliveira
 
 
 

ANTES E DEPOIS DE PHALARIS (PARTE 1)

         Depois de se mostrar um grande campeão nas pistas (retirou-se invicto), o italiano NEARCO, uma das maravilhas do mago Federico Tesio, tornou-se alvo da atenção mundial pelo completo sucesso na reprodução, vindo a ser separado como chefe de raça. Modernamente, o melhor de NEARCO vem de seu neto canadense NORTHERN DANCER, hoje sublinhado por GALILEO.


Nearco

Em larga escala poderia se dizer que NEARCO (1935) fez perceptível por físico e aptidão, a diferença entre a sua descendência daquela que então contava com a justa admiração dos criadores, a de ST SIMON (1881). Na verdade essa diferença havia sido iniciada por seu avô paterno PHALARIS (1913), cabendo a NEARCO, combinação perfeita de físico e campanha, completar e estabelecer.
De pronunciado efeito sob todas as considerações, foram os galopadores, mestres das distâncias longas, de grande coração, sensíveis, agradecidos ao treinamento suave, altos e de modelo leve, substituídos pelos precoces, velozes, capacitados às explosões nervosas, de não gostarem de ser ultrapassados, musculosos, massivos, de canelas curtas. Em linhas gerais, assim o antes e o depois de PHALARIS / NEARCO.
Uma segunda vertente de PHALARIS de mesmo caráter modificador, tão vigorosa quanto, é a que vem de POLYMELUS, passa pelo fantástico tordilho NATIVE DANCER (1950) e desce para MR. PROSPECTOR (1970). Analogamente se observa o antes e o depois de PHALARIS / NATIVE DANCER.
Por suas grandes forças de transmissão, NEARCO e NATIVE DANCER amplamente se impuseram no universo da criação até os dias de hoje. Em decorrência se verifica um percentual elevado de PHALARIS nos pedigrees do cavalo moderno. Poucos anos depois esses raçadores transferiram para NORTHERN DANCER e MR. PROSPECTOR, respectivamente, o papel que desempenharam.
De imediato aconteceu a disputa pela supremacia entre NORTHERN DANCER e MR. PROSPECTOR, qual transcende o amanhã e nos deixa conjeturar uma corrida virtual entre FRANKEL (GALILEO) E ARROGATE (UNBRIDLED’S SONG).
Tentaremos expor de forma breve o que aconteceu na criação nacional depois de NEARCO (Parte 1) e depois de NATIVE DANCER (Parte 2).
Seguindo a Europa nos voltamos para NEARCO, um talento para gerar machos. De suas 11 principais linhagens a de NASRULLAH recebeu nossa inicial preferência. Aclimatando-se muito bem em nosso meio ambiente foi bem sucedida, bastando as citações de TUMBLE LARK, CRYING TO RUN e RIO BRAVO que geraram vencedores de Grupo.
Em serviço temos NEDAWI, pouco avaliado, quase discriminado, mas na verdade um reprodutor de resultados que com éguas ROI NORMAND foi pródigo em dar ganhadores de Grupo. KNOW HEIGHTS, neto de MILL REEF, ainda há pouco esteve servindo e foi bem com seus produtos, tanto machos como fêmeas.
Sempre seguindo os europeus mudamos para a florescente linhagem de NORTHERN DANCER. Pelo difícil acesso aos melhores e facilitado pelo caráter liberal da formação de nosso grupo de reprodutores, chegaram dezenas de filhos e netos que estabeleceram raízes às custas de suas filhas, mas falhando no principal, a geração de um macho continuador de seu lineamento paterno.
Mas nem tudo assim foi. Ao início dos anos 80, importado pelo Mondesir, recebemos GHADEER, neto de NORTHERN DANCER. Com muitas éguas a ele oferecidas, gerou diversos ganhadores de Grupo, deixando um rico conjunto de matrizes que funcionaram como melhoradoras de seus padreadores. Há bem pouco renovou sua “carteira” de avô materno por JADIR, Troféu Mossoró 2017.
Da lista de NORTHERN DANCER trazidos para o Brasil é imposto neste leve ensaio falar de ROYAL ACADEMY, SULAMANI e GIANT’S CAUSEWAY. Os dois primeiros pelo que produziram, o terceiro pelo que deveria ter produzido. ROYAL ACADEMY, filho de NIJINSKY, gerou muito bons corredores e suas filhas valorizam o plantel onde se encontram. Seu filho DURBAN THUNDER, excelente milheiro, ganhador clássico nos Estados Unidos, pode estar dando continuidade ao importante lineamento de NIJINSKY através de DESEJADO THUNDER, um velocista, multi-ganhador de Grupo e bom iniciante na reprodução. Estaria funcionando o “canal” de velocidade que ROYAL ACADEMY por vezes demonstrou na Europa?
SULAMANI, também um NIJINSKY, serviu de maneira esplendorosa, medida por 12 ganhadores de Grupo. Seu retorno para a Europa foi mesmo para se lamentar, depois de aqui ter cumprido em SP somente duas temporadas. Para avaliação disso e referência, o grande PULPIT que serve nos Estados Unidos produziu em 12 anos 63 stakes winners. Em estatística virtual ficaria abaixo de SULAMANI.
Enquanto podemos dizer que os descendentes de NIJINSKY se deram bem entre nós, sobre as demais linhagens pairam algumas dúvidas, inclusive na de STORM CAT. Aqui esteve GIANT’S CAUSEWAY, belíssimo alazão de mão e pé esquerdo brancos, cobertura de 85 mil dólares em 2013, mais de 12 milhões somados em 2012 por seus filhos, não tendo se adaptado bem em nosso meio ambiente, quase nada deixou. Seu filho CATCH A FLIGHT, excelente cavalo com vitórias em provas de Grupo nos Estados Unidos e que está iniciando a função de padreador é nascido na Argentina. O contraponto pode estar em FORESTRY, belíssimo cavalo, estampado seu pai.
CRIMSON TIDE e ACTEON MAN, que representam bem NORTHERN DANCER entre nós, são reprodutores mostrando bom serviço e prometem mais. O primeiro um SADLER’S WELLS e o segundo da linhagem de DANZIG. O primeiro, inclusive, está se colocando como grande avô materno.
Temos em desenvolvimento mais duas linhagens de NEARCO, uma por NEARCTIC e outra por ROYAL CHARGER, ambas parecendo consistentes.
De NEARCTIC / ICECAPADE temos dois magníficos garanhões, WILD EVENT e seu irmão paterno CHRISTINE’S OUTLAW. Mais de que magnífico WILD EVENT faz parte dos melhores que aqui aportaram em todos os tempos. Um vencedor de estatísticas. Nessa oportunidade com tristeza se faz a menção de seu filho FLUKE que com apenas uma geração lançou NO REGRETS, tríplice coroada e os ganhadores de Grupo NOSTALGIE e NEW IN TOWN. Outros filhos de WILD EVENT estão servindo na reprodução e é válida a expectativa formada. CHRISTINE’S OUTLAW interessante reprodutor, agora sob o manto de importantes criadores sobe de cotação e dele se espera bastante.
Finalmente, do sangue de NEARCO temos em nossos campos dois bem valorizados garanhões da linhagem de ROYAL CHARGER. Um deles AGNES GOLD, grande talento para gerar fêmeas, foi objeto de um “pool” de criadores estando hoje sediado em Bagé cobrindo valioso elenco de matrizes. Seu irmão paterno HAT TRICK já consagrado e também protegido por um “pool”, faz sua primeira estação em 2017, sendo mais um que recebemos exultantes.
Por temporada aqui estiveram RODERIC O’CONNOR e SOLDIER OF FORTUNE, ambos filhos de GALILEO, e HOLY ROMAN EMPEROR e ROCK OF GIBRALTAR da linha DANZIG. Todos foram muito bem sucedidos deixando filhas que certamente estarão em breve valorizadas, além de produzirem filhos vencedores de Grupo, merecendo a lembrança de VOADOR MAGEE, filho de RODERIC O’CONNOR, ganhador do Brasil 2017.
Fecha-se como foi NEARCO em nossa criação e abre-se com a Parte 2 - NATIVE DANCER, com a mesma forma simples que marcou a primeira.

 

 
 

© 2017 - Jornal do Turfe Ltda.
Copyright Jornal do Turfe. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal do Turfe.